Aproximava-se a hora da Paixão. […] Nesse momento os discípulos não deviam estar com o espírito abalado; não devia acontecer que aqueles que, pouco antes, tinham confessado pela voz de Pedro que Ele era o filho de Deus (Mt 16,16) acreditassem, vendo-O pregado na cruz como um culpado, que Ele era um simples homem. Foi por isso que Ele os fortaleceu com esta visão admirável.

Assim, quando O vissem traído, em agonia, implorando que Lhe fosse afastado o cálice da morte e arrastado ao tribunal do sumo sacerdote, lembrar-se-iam da subida ao Tabor e compreenderiam que era por sua livre vontade que Se entregava à morte. […] Quando vissem os golpes e os escarros na sua face, não se escandalizariam, relembrando-se do seu brilho que ultrapassava o do sol. Quando O vissem revestido pelo escárnio do manto escarlate, lembrar-se-iam de que esse mesmo Jesus estivera vestido de luz no monte. Quando O vissem crucificado na cruz entre dois malfeitores, lembrar-se-iam de que Ele tinha aparecido entre Moisés e Elias como o seu Senhor. Quando O vissem sepultado na terra como um morto, pensariam na nuvem luminosa que O envolvera.

Aqui está pois um motivo para a Transfiguração. E talvez haja outro: o Senhor exortava os seus discípulos a não tentarem economizar a sua própria vida, dizendo-lhes: «Se alguém quiser vir após Mim, renegue-se a si mesmo, tome a sua cruz e siga-Me» (Mt 16,24). Mas renunciar a si mesmo e ir ao encontro de uma morte vergonhosa é uma coisa difícil; é por isso que o Salvador mostra aos seus discípulos qual o tipo de glória de que serão julgados dignos os que imitarem a sua Paixão. Com efeito a Transfiguração não é senão a manifestação por adiantamento do último dia, onde «os justos resplandecerão como o sol, no reino de seu Pai» (Mt 13,43).




Comentários no Facebook:

comments