Que mistério novo e admirável! João não nasceu ainda e já fala saltando no ventre de sua mãe. Ainda não apareceu e já profere anúncios. Ainda não pode gritar e já se faz ouvir através dos seus actos. Ainda não começou a sua vida e já prega a Deus. Ainda não viu a luz e já aponta para o Sol. Ainda não foi dado ao mundo e já se apressa a agir como precursor. O Senhor está ali, e ele não é capaz de se conter, não suporta os limites fixados pela natureza, esforça-se por romper a prisão do seio materno e procura dar a conhecer antecipadamente a vinda do Salvador, dizendo: «Aquele que rompe as cadeias chegou e eu continuo preso, tenho de continuar aqui? O Verbo vem restabelecer tudo e eu permaneço cativo? Vou sair, vou correr diante dele e proclamar a todos: “Eis o Cordeiro de Deus, que tira o pecado do mundo!” (Jo 1, 29

Mas diz-nos, João: na obscuridade do seio de tua mãe, como podes ver e ouvir? Como contemplas as coisas divinas? Como podes saltar e exultar? Ele responde: «Grande é o mistério que se cumpre; é um feito que escapa à compreensão do homem. Eu tenho o direito de inovar na ordem natural por causa daquele que vem inovar na ordem sobrenatural. Vejo antes mesmo de nascer, porque vejo em gestação o Sol de Justiça (Ml 3, 20). Apercebo-me pelo ouvido porque, vindo ao mundo, sou a voz que precede o Verbo. Grito porque contemplo, revestido de carne, o Filho único do Pai. Exulto porque vejo o Criador do universo receber a forma humana. Salto de alegria porque penso que o Redentor do mundo tomou corpo. Sou o precursor da sua vinda e antecipo o vosso testemunho com o meu.»




Comentários no Facebook:

comments