«Onde levas o teu rebanho a pastar» (Cant 1,7), ó bom pastor que o carregas sobre os teus ombros (Lc 15,5)? Porque toda a raça humana é uma única ovelha que Tu tomaste aos ombros. Mostra-me o lugar da tua pastagem, faz-me conhecer as águas do repouso, leva-me às ervas suculentas, chama-me pelo nome (Jo 10,3), para que eu oiça a tua voz, eu que sou tua ovelha, que a tua voz seja para mim a vida eterna.

Sim, diz-mo, «Tu a quem o meu coração ama» (Cant 1,7). É assim que Te chamo porque o teu nome está acima de todo o nome (Fil 2,9), inexprimível e inacessível a toda a criatura dotada de razão. Mas este nome, testemunho dos meus sentimentos para contigo, exprime a tua bondade. Como poderia não Te amar, a Ti que me amaste quando eu era negra (Cant 1,5), a ponto de dares a tua vida pelas ovelhas de quem és o pastor (Jo 10,11)? Não é possível imaginar maior amor do que teres dado a vida pela minha salvação (Jo 15,13).

Ensina-me pois onde levas o teu rebanho a pastar, que eu possa encontrar a pastagem da salvação, saciar-me com o alimento celeste que todo o homem deve comer se quiser entrar na vida, correr para Ti que és a fonte e beber a longos tragos a água divina que fazes brotar para os que têm sede. Essa água corre do teu lado desde que a lança aí abriu uma chaga (Jo 19,34), e todo aquele que a prova torna-se uma fonte de água brotando para a vida eterna (Jo 4,14).




Comentários no Facebook:

comments