Aquele que é bom, não por um dom recebido mas por natureza, diz-nos: «Eu sou o bom Pastor.» E continua, para que imitemos o modelo de bondade que nos deixou: «O bom Pastor dá a vida pelas suas ovelhas» (Jo 10.11). No seu caso, Ele realizou o que tinha ensinado; mostrou o que tinha ordenado. Bom Pastor, deu a vida pelas suas ovelhas, para mudar o seu corpo e sangue em nosso sacramento, e saciar com o alimento da sua carne as ovelhas que tinha resgatado. Mostrou-nos o caminho a seguir, desprezando a morte. Eis diante de nós o modelo a que temos de nos conformar: em primeiro lugar, gastar-nos exteriormente com ternura pelas suas ovelhas; em seguida, se for necessário, oferecer-lhes a nossa morte.

Ele acrescenta: «Eu conheço – quer dizer, amo – as minhas ovelhas e elas conhecem-Me.» É como se dissesse, agora de uma forma mais clara: «Quem Me ama, siga-Me!», porque quem não ama a verdade é porque ainda a não conhece. Vede, irmãos caríssimos, se sois verdadeiramente as ovelhas do bom Pastor, vede se O conheceis, vede se vos apropriais da luz da verdade. Não falo da apropriação pela fé, mas pelo amor; vede se vos apropriais, não pela vossa fé, mas pelo vosso comportamento. Porque o mesmo evangelista João, que nos transmitiu esta palavra, afirma ainda: «Quem diz que conhece Deus e não guarda os seus mandamentos é mentiroso» (1Jo 2,4). Por isso, Jesus acrescenta: «Assim como o Pai Me conhece, Eu conheço o Pai, e dou a vida pelas minhas ovelhas», o que equivale a dizer claramente: o facto de Eu conhecer o meu Pai e ser conhecido por Ele consiste em que Eu dou a vida pelas minhas ovelhas. Por outras palavras: este amor que me leva a morrer pelas minhas ovelhas mostra até que ponto amo o Pai.




Comentários no Facebook:

comments