Há uma riqueza que semeia a morte por onde domina: libertai-vos dela e sereis salvos. Purificai a vossa alma, tornai-a pobre para poder escutar o apelo do Salvador que vos repete: «Vem e segue-Me!» Ele é o caminho por onde segue quem tem o coração puro: a graça de Deus não penetra numa alma cheia de empecilhos e atormentada por uma multidão de posses.

O que olha a fortuna, o ouro e a prata ou as casas, como dons de Deus, esse testemunha a Deus o seu reconhecimento, indo em auxílio dos pobres com os seus bens, pois sabe que os possui mais para os seus irmãos do que para si mesmo; deste modo, torna-se senhor das suas riquezas, em vez de seu escravo: não as guarda em sua alma, nem encerra nelas a sua vida, mas prossegue sem se cansar uma obra tão divina. E, se algum dia a sua fortuna vier a desaparecer, aceita essa ruína com um coração livre. A esse homem, Deus declara-o bem-aventurado, «pobre em espírito», herdeiro do Reino dos Céus (Mt 5,3).

Em contrapartida, há quem, em vez de ter o Espírito Santo em seu coração, tenha as riquezas. Esse guarda para si as terras; acumula fortunas sem fim e não se preocupa senão com ajuntar sempre mais; nunca levanta os olhos para o céu, enredando-se nas coisas temporais, porque não é senão pó e em pó se há-de tornar (Gn 3,19). Como poderá experimentar o desejo do Reino aquele que, no lugar do coração, tem um campo ou uma mina, e a quem a morte há-de surpreender no meio das suas paixões? «Pois, onde estiver o teu tesouro, aí estará também o teu coração» (Mt 6,21).




Comentários no Facebook:

comments