Encontro especial do pontífice com a juventude leva 35 mil pessoas ao Pacaembu

SÃO PAULO, quinta-feira, 10 de maio de 2007 (ZENIT.org).- 35 mil vozes entoavam o refrão “Bento, Bendito, bem-vindo, nosso povo te acolhe com amor”, quando o Papa chegou ao Estádio do Pacaembu, zona oeste de São Paulo, no início da noite desta quinta-feira, para o encontro especial com a juventude.

O pontífice saiu do Mosteiro de São Bento em papa-móvel por volta das 17h45, hora de Brasília. Seguiu pelas ruas do centro de São Paulo até chegar ao Pacaembu, por volta das 18h15.

No interior do Estádio, 35 mil jovens já o aguardavam desde o início da tarde. Nos momentos que antecederam a chegada do pontífice, muita música alegrava o ambiente.

Quando souberam que o Papa se aproximava do Estádio, os jovens começaram a ensaiar um grito de acolhida que dizia: “Papa, nós também te amamos!”.

Ao início da cerimônia, fez-se uma homenagem à Amazônia, em alusão ao tema da Campanha da Fraternidade (período de Quaresma) da Igreja no Brasil este ano.

Cantou-se uma canção em que se repetia “Amazônia, Amazônia, é proibido queimar. Amazônia, Amazônia, é proibido matar”.

Em seguida, cinco jovens falaram ao Papa testemunhando algum aspecto específico da juventude. Tocaram em temas como a construção da civilização do amor, justiça, educação e o mundo do trabalho.

Jovens focolares assumiram o palco e apresentaram danças típicas do Brasil. As cores das congadas, catiras, capoeira, frevo, entre outros, acenavam a mistura de culturas que conformou o país, nestes seus pouco mais de 500 anos de evangelização cristã.

Após a leitura do Evangelho, o Papa discursou causando entusiasmo na multidão. O pontífice foi interrompido por aplausos e expressões de afeto 27 vezes durante sua alocução.

Veja tambem  Desafio da Igreja frente ao jovem pós-moderno, segundo cardeal Murphy-O’Connor

“Gostaria de dar um abraço bem brasileiro a todos vós”, expressou em determinado momento o Papa, causando frisson na juventude.

Ao recordar brevemente a figura de seu predecessor, João Paulo II, o Santo Padre abriu um sorriso, ao ver que os jovens gritavam “Santo”, “Santo”.

Após seu discurso, longamente aplaudido, todo o Estádio, liderado por Eugenio Jorge, de Missão Mensagem Brasil, e Adriana Pereira, cantou para o Papa “Ninguém te ama como eu”,

Após dar a bênção, Bento XVI voltou para o Mosteiro de São Bento em carro fechado. Já no Mosteiro, mais uma vez, a quinta neste dia, por volta das 21h, acenou para os fiéis que o aguardavam.




Comentários no Facebook:

comments