Muitos se perguntam sobre as origens das igrejas no mundo, mas, uma Igreja quase nunca é comentada, e muitas vezes esquecida, trata-se da Igreja Católica Apostólica Romana. Peçamos que pela intercessão da Santíssima Mãe de Deus e de nós todos, a Virgem Maria, possamos fazer uma análise minuciosa da origem da Santa Madre Católica.

Vamos levar em conta, primeiramente, que em livros, jornais e revistas já se encontra comprovado o grande acontecimento: A fundação da Igreja Católica Apostólica.

No Manual da Redação da Folha de São Paulo, página 172, encontramos no verbete Catolicismo, subitem fundação, a seguinte assertiva: “Oriente Médio, por Jesus Cristo, início da era Cristã. A sede fica no Vaticano”. Isto quer dizer que o catolicismo foi fundado no Oriente Médio, por Nosso Senhor Jesus Cristo, no início da era Cristã (Século I d.C.), ou seja próximo do ano zero, o ano que padronizaram como o ano do nascimento do menino Jesus e sua sede, atualmente, fica no Vaticano.

Também pode ser encontrado na Enciclopédia Britannica do Brasil, ou Enciclopédia Barsa, no seu volume 5, página 167, verbete “catolicismo” a seguinte afirmação: “Talvez em contraposição a igrejas locais, que escolhiam certas verdades de fé e rejeitavam outras (‘heresia’ quer dizer ‘escolha’), a igreja dos apóstolos centrada no sucessor de Pedro passou a dizer-se ‘católica’, i.e, universal ? adotando outro termo cunhado em Antioquia: S. Inácio, bispo daquela cidade por 40 anos, foi o primeiro a usá-lo na Epístola aos Cristãos de Esmirna (atual Izmir, Turquia). Com o mesmo sentido, daquilo que é universal contra aquilo que é particular, aparece em escritores pagãos anteriores, como Aristóteles. O grego katholikós, ‘geral’, ‘universal’, vem de kata, ‘acerca de’, ‘relativo a’, e holos, ‘todo’, ‘inteiro’. Na patrística do século II (S. Justino, S. Irineu de Lyon, Tertuliano, S, Cipriano de Cartago) tem o duplo sentido de igreja universal, geograficamente, e de igreja autêntica, única-ortodoxa. As duas idéias se reúnem para designar a igreja de Cristo, que (1) cobria efetivamente o mundo conhecido e (2) assegurava a unidade da fé.” Isto quer dizer que a palavra católica foi usada pela primeira vez por Santo Inácio, bispo de Antioquia na sua carta aos cristãos de Esmirna, o aparecimento deste nome, deve-se, segundo a Enciclopédia, à necessidade de contrapor um nome as heresias. O termo Igreja Católica aparece no versículo 2 do capítulo 8 desta carta de Santo Inácio de Antioquia aos cristãos de esmirna. (para ver esta carta clique aqui)

Na Enciclopédia Compacta de Conhecimentos Gerais (da revista “Isto é”), página 259 tópico Igreja Católica vemos a seguinte afirmação: “Roma foi a única Igreja ocidental fundada por um apóstolo (São Pedro). Da Irlanda aos Cárpatos, os cristão passaram a reconhecer o bispo de Roma como o Papa (do latim vulgar papa, “pai”) e usavam o latim nos serviços religiosos nas leituras das escrituras e na teologia (…)”, ou seja, a Igreja de Roma, que como vimos no século II começou a se chamar de Igreja Católica, foi a única Igreja do Ocidente a ser fundada por um apóstolo, no caso foi mencionado São Pedro como fundador, mas, é de se questionar: Este site não visa provar que Jesus Cristo fundou a Igreja Católica Apostólica Romana? Existem outras igrejas fundadas por outros apóstolos? A resposta para essas perguntas é sim. Mas São Pedro foi o apóstolo que recebeu as chaves do reino, por tanto, não é de causar surpresa a afirmação da enciclopédia, pois, ele recebeu a autoridade de presidir a Igreja de Jesus Cristo e decidir todas as questões doutrinárias. Outra observação que deve ser feita é que São Pedro fundou a comunidade cristã de Roma e independente de onde ele esteja, seu primado e sua autoridade devem ser respeitados pelas demais comunidades, ou igrejas. Quando se diz que Jesus Cristo fundou a Igreja Católica sobre São Pedro, isto significa que Nosso Senhor Jesus Cristo estabeleceu a autoridade eclesiástica em São Pedro (Igreja vem do latim, ecclesia), mas, Igreja também pode significar a comunidade religiosa local, por tanto, temos a Igreja Universal (Católica do grego, Katholikós=Universal, Geral) que é o conjunto de todas as Igrejas locais e seus respectivos bispos, mas, uma dessas Igrejas locais possui uma particularidade: a Igreja (ou comunidade) de Roma, regida pelo Bispo de Roma (O Papa) possui o primado sob todas as demais Igrejas ou comunidades, por tanto, todas as Igrejas e seus respectivos bispos locais estão subordinados ao bispo de Roma, o atual Papa João Paulo II. Mas, e as Sagradas Escrituras? Elas relatam a existência de uma Igreja com esta estrutura que foi elucidada? Para obter a resposta acompanhe os parágrafos que seguem.

A Bíblia também narra a fundação de uma Igreja por Nosso Senhor Jesus Cristo, na passagem de Mt 16, 18 Nosso Senhor disse a São Pedro: “…Tu és Pedro, e sobre esta pedra eu edificarei a minha Igreja…” (“…tu es Petrus et super hanc petram aedificabo ecclesiam meam…”), atentemos para o verbo “edificar” conjugado na primeira pessoa do futuro do presente do modo indicativo, vemos que Jesus construirá sua Igreja sobre Pedro (pedra, “kephas” no aramaico, pronuncia-se “cefas”). O nome de São Pedro era Simão; Jesus deu-lhe o nome Pedro conforme está em Jo 1,42 “Tu és Simão, filho de João; serás chamado Cefas (que quer dizer Pedra).” (“et adduxit eum ad Iesum intuitus autem eum Iesus dixit tu es Simon filius Iohanna tu vocaberis Cephas quod interpretatur Petrus”). As palavras Pedro e pedra no aramaico, são designados pelo mesmo vocábulo “Kephas”. Não é como no português que distingui Pedro, como o nome próprio, de pedra como o nome do minério. A exemplo do aramaico, o idioma francês não diferencia o nome próprio do nome do minério, assim “Pierre” ou “pierre” é o nome tanto do minério, como do nome próprio. Etimologicamente, Pedro e pedra não possuem diferença, isto é, pesquisando a origem da palavra Pedro, vemos que ela surgiu por que Jesus Cristo criou o nome e deu a Simão este novo nome, por tanto, Pedro vem de “Kephas” que quer dizer pedra. Mas, quando foi traduzido para o grego criou-se um vocábulo para o nome próprio de Pedro, no latim encontramos Petrus como tradução de Pedro e petram para pedra.

Mas é necessário atentar para o seguinte fato: em I Pe 2,4ss, São Pedro afirmar que Jesus Cristo é a Pedra angular, do mesmo modo São Paulo diz em Ef 2,20 e em I Cor 3,9ss, já em Gl 2,9; São Paulo diz que as colunas da Igreja são Tiago, Cefas (Pedro) e João, também em I Cor 3, 9-11, São Paulo nos diz que: “Nos somos operários com Deus. Vós, o campo de Deus, o edifício de Deus. Segundo a graça que Deus me deu, como sábio arquiteto lancei o fundamento, mas, outro edifica sobre ele. Quanto ao fundamento, ninguém pode pôr outro diverso daquele que já foi posto: Jesus Cristo.”

Mas estas passagens não excluem Pedro como a pedra sobre a qual Jesus assentou a sua Igreja, para provar isso, é oportuno citar um exemplo:

Quem é a luz do mundo? em Jo 8,12 encontramos a resposta dada por Jesus Cristo: “Falou-lhes outra vez Jesus: “Eu sou a luz do mundo; aquele que me segue, não andará em trevas, mas terá a luz da vida.” No entanto, em Mt 5,13, o próprio Jesus Cristo, Nosso Senhor, diz a seus discípulos: “Vós sois a luz do mundo”, ou seja, segundo as Sagradas Escrituras, Jesus Cristo e seus discípulos são a luz do mundo. Será isso uma contradição?

Não, pois, existe uma diferença, basta fazer uma analogia com os astros do sistema solar. O Sol é uma estrela que produz luz, a lua e os planetas refletem essa luz, mas não produz luz; do mesmo modo é Jesus Cristo, ele é Deus que produz a luz, ele cria a luz; os discípulos refletem essa luz, mas não cria luz alguma. Assim ocorre com São Pedro e Jesus Cristo; os apóstolos afirmam ser Jesus a pedra viva, pois, Jesus é a pedra absoluta, ele é a pedra de maior autoridade, mas ele, com sua autoridade, transfere autoridade aos apóstolos em especial a São Pedro, basta conferir Mt 28,18-20: “Mas Jesus aproximando-se, lhes disse: “Toda autoridade me foi dada no céu e na Terra. Ide, pois, e ensinai a todas as nações; batizai-as em nome do Pai, do Filho e do Espírito Santo. Ensinai-as a observar tudo o que vos prescrevi. Eis que estou convosco todos os dias, até o fim do mundo”. Ou seja, Cristo afirma ter autoridade, e autoriza os apóstolos a ensinarem toda a humanidade.


Autor: Rogério Amaral Silva
Fonte: www.veritatis.com.br