Igreja defende evangelização via web

Uso da web foi defendido durante encontro da Igreja Católica, em Honduras.
Para cardeal, igreja deve usar a internet ‘sem medo’.

A Igreja Católica considera que a internet e outras tecnologias da comunicação são fundamentais para promover seu trabalho pastoral, afirmaram nesta terça-feira (18) os participantes da X Reunião da Rede Informática da América Latina (RIIAL), em Honduras.

A reunião, com a presença de bispos do Conselho Episcopal Latino-americano (Celam), debateu a relação entre a Igreja com o ciberespaço, segundo os organizadores.
O chefe dos programas de Comunicação Social do Vaticano, monsenhor Claudio Maria Celli, afirmou que evangelizar através de internet é possível, da mesma forma como a rede ajuda a estabelecer amizades e até casamentos.

O arcebispo de Tegucigalpa, Óscar Andrés Rodríguez, afirmou que Deus “não está ausente da internet” e que a Igreja Católica se propõe a evangelizar utilizando esta tecnologia.

Na reunião, que começou na segunda-feira, o cardeal ressaltou que a Igreja deve usar a internet sem medo. “Ela nos dá uma grande oportunidade para evangelizar e milhões de pessoas podem conhecer Jesus assim”, observou. Rodríguez disse que não sabe quantas pessoas podem ser evangelizadas pela internet. Mas, mesmo assim, a igreja fará uso desse recurso.

O RIIAL procura criar novas formas de presença e serviços da rede na América Latina, aproveitando ao máximo o novo panorama tecnológico e cultural multimídia caracterizado pela internet, informaram os representantes da Igreja Católica na capital hondurenha.

Durante o encontro, que vai até próximo sábado, será apresentado o programa “Office Eclesial”, desenvolvido pela RIIAL, para a implementação das Redes Diocesanas. A RIIAL, que se define como uma equipe especializada em tecnologia para a evangelização, se dedica à formação e assessoria dos agentes pastorais.

Fonte: Portal G1




Comentários no Facebook:

comments

Anteriores

Santa Sé a ONU: Origem dos conflitos é falta de respeito à dignidade humana

Próximo

Santíssima Trindade dá significado e luz às Aparições em Fátima, afirma cardeal Bertone

  1. DAVID EDUARDO MARTIN

    A Igreja já devia estar usando a internet de modo pleno, constante, exaustivo.
    Surpreende-me o fato de ainda se levantar a questão "não se deve ter medo da internet". Ora, se Jesus não teve medo de sair pregando, se São Paulo e outros não tiveram medo, por que estamos com medo? Medo de quê? Medo de quem?
    Acho que devemos ir a luta. Agora, o principal é como utilizar este canal. Creio que deve ser algo ao menos fiscalizado pela Igreja. Como são os livros, os discos. A Igreja deve dar um sinal de que concorda com determinado site. Deve ter um sinal de aprovação, de demonstração de que determinado site está de acordo com o que o Santo Papa prega. Esta é a verdadeira Evangelização. (no meu modesto entender).
    Obrigado, David

  2. leobergamo

    Fico feliz com esta atitude. Já ouvi que um padre na África montou algo como que uma "diocese virtual", dentro dos limites permitidos pela Santa Sé. Muitos católicos ficarão felizes em poder contribuir se a Igreja der espaço. Se seguirmos no espírito do Concílio Vaticano II que não centraliza mas permite que todos (leigos – não gosto deste termo – e religosos consagrados, e pessoas contratadas para auxiliar na área de informática pela Igreja) trabalhem em conjunto é possível atingir um número muito grande pessoas. Especialmente em relação a Nova Evangelização, trazer de volta os que estão afastados, tornar a Igreja mais pessoal (no sentido de que é possível um retorno a pessoa – e não a sensação impessoal de um Igreja cheia numa missa: para os que não estão engajados). Mas isso exige disposição e mudança de atitude. Fui seminarista, sou formado em Filosofia pela PUC-PR e ainda não terminei minha Pós-graduação em Informática Aplicada à Educação, mas montei uma pequena página antes de inciar a especialização e pude melhorá-la durante a mesma: http://br.geocities.com/leobergamo77/

Deixe uma resposta

Desenvolvido em WordPress & Tema por Anders Norén