Em uma coletiva de imprensa concedida a jornalistas

AIX-EN-PROVENCE, sexta-feira, 30 de março de 2007 (ZENIT.org).- Com um sorriso nos lábios, a Irmã Marie-Simon-Pierre, religiosa de 46 anos, assegurou nesta sexta-feira ante a imprensa que foi curada de Parkinson de maneira inexplicável, graças à intercessão de João Paulo II.

«Tudo o que posso dizer-vos é que eu estava doente e que agora estou curada. Agora corresponde à Igreja pronunciar-se e reconhecer se é um milagre», afirmou ante aproximadamente sessenta jornalistas, em uma coletiva de imprensa concedida na casa diocesana da cidade francesa de Aix-en-Provence.

Acompanhada pelo bispo dessa diocese, Dom Claude Feidt, sem esconder sua emoção, reconheceu que para ela não há dúvidas: «Fui curada, é a obra de Deus por intercessão de João Paulo II».

«É algo muito forte, difícil de explicar com palavras», declarou a religiosa, que pertence à congregação das Irmãzinhas das Maternidades Católicas.

Ao recordar o efeito do Parkinson, a mesma doença que Karol Wojtyla padeceu, recordou: «meu corpo já não era o mesmo e eu não era a mesma».

«A partir do falecimento de nosso Santo Padre João Paulo II, os sintomas da enfermidade se acentuaram e agravaram», explicou, recordando dois meses duríssimos, até 2 de junho de 2005, quando pediu para deixar de trabalhar na Maternidade da Estrela (Maternité de l’Etoile), em Puyricard, perto de Aix-en-Provence.

Sua superiora lhe pediu que escrevesse o nome de João Paulo II, tarefa quase impossível, dado o seu estado. Após escrever uns caracteres quase irreconhecíveis, foi para seu quarto para descansar.

«E lá, quando entrei em meu quarto, tive vontade de escrever, apesar de que para mim era difícil. Tive a impressão de escutar uma voz que me dizia: ‘Pegue a caneta e escreva’. Escrevi um pouco. Após poucas palavras, dormi para despertar às 4:30 da manhã.»

Veja tambem  Papa pede que se supere a própria “preguiça espiritual”

«Levantei rapidamente de minha cama, apesar de que me levantar se havia convertido em algo verdadeiramente duro e pesado», seguiu recordando.

«Eu me senti totalmente transformada, já não era a mesma interiormente», afirmou nesta sexta-feira. «Algo que me é difícil explicar com palavras. Era forte demais, grande demais. Um mistério.»

«Desde esse dia, deixei de submeter-me a todo tratamento.» «Para mim, é como um segundo nascimento; tive a impressão de redescobrir meu corpo, de redescobrir meus membros», confia.

Aquele dia, em 3 de junho de 2005, ela começou a jornada com uma inesquecível Eucaristia de ação de graças.

Neste momento, a religiosa desempenha seus serviços em uma maternidade de Paris. «Trabalho como enfermeira com mães e bebês da maternidade Saint-Félicité. E cumpro com todas as exigências.»

Esta cura sem explicação científica será apresentada pelo postulador da causa de beatificação, monsenhor Slawomir Oder, na fase romana, que acontece na Congregação para as Causas dos Santos.

Começará depois do encerramento do processo diocesano, em 2 de abril, na basílica vaticana. A religiosa participará da celebração.

Em declarações recentes, monsenhor Oder havia constatado dois elementos neste caso: a religiosa foi curada de Parkinson, a mesma doença de João Paulo II e, como ele, entregou sua vida à causa da vida.




Comentários no Facebook:

comments