O Ângelus é uma devoção em honra ao mistério da Encarnação, que tem raízes na Idade Média e encontra sua origem na tradição franciscana. A composição da oração do Ângelus é atribuída ao beato papa Urbano II (pontífice de 1088 a 1099). Já a tradição de rezá-la três vezes ao dia foi iniciada pelo rei Luis XI, da França, em 1472. Ao som do “sino do Ângelus” na pausa da manhã, os cristãos veneravam a Virgem Maria, recitando três Ave-Marias, intercaladas por três versículos da Bíblia. O primeiro: “O Anjo do Senhor anunciou a Maria. E Ela concebeu do Espírito Santo”. Depois da primeira Ave-Maria: “Eis aqui a escrava do Senhor. Faça-se em mim segundo a vossa palavra”. “Ave Maria…” “E o Verbo se fez carne. Todos: E habitou entre nós”. “Ave Maria…”

Reza-se o Ângelus, tradicionalmente, às 6 horas, ao meio-dia e às 18 horas. No século XV, o Papa Calisto III percebeu que o chamado para a oração do Ângelus, ao som dos sinos, assemelhava-se ao costume dos muçulmanos que ouvem o mesmo chamado à oração, do alto dos minaretes. Naqueles tempos de guerra contra os turcos, ele estabeleceu, então, o elo entre as duas orações ─ a cristã e a muçulmana ─ e prescreveu o Ângelus, em Roma, a fim de obter a proteção da Virgem contra esses inimigos da fé católica.

Hoje, na hora do Ângelus, especialmente ao meio-dia, há sempre grandes multidões na Praça de São Pedro, em Roma.

Aleteia

E também em:
mariedenazareth.com

Ave Maria, cheia de graça, o Senhor é convosco.
Bendita sois Vós entre as mulheres, bendito é o fruto de Vosso ventre, Jesus. Santa Maria, Mãe de Deus, rogai por nós, pecadores, agora e na hora de nossa morte.
Amém.




Comentários no Facebook:

comments

Veja tambem  Bento XVI pede à Igreja radicalidade evangélica e misericórdia