Evitar secularização de sacerdotes e clericalização dos leigos, pede o Papa

Vaticano, 17 Set. 09 / 11:41 am (ACI).- Ao receber este meio-dia aos prelados do Setor Nordeste 2 da Conferência Nacional de Bispos Católicos do Brasil em visita ad limina, o Papa Bento XVI assinalou que ” É na diversidade essencial entre sacerdócio ministerial e sacerdócio comum que se entende a identidade específica dos fiéis ordenados e leigos. Por essa razão é necessário evitar a secularização dos sacerdotes e a clericalização dos leigos”.

Por isso, prosseguiu o Santo Padre, “os fiéis leigos devem empenhar-se em exprimir na realidade, inclusive através do empenho político, a visão antropológica cristã e a doutrina social da Igreja.
Por sua vez os padres não se devem comprometer pessoalmente na política, e isso para poderem favorecer a unidade e a comunhão de todos os fiéis e serem uma referência para todos”.

O Papa disse logo que “não é a falta de presbíteros que há de justificar uma participação mais ativa e numerosa dos leigos. Na realidade, quanto mais os fiéis se tornam conscientes das suas responsabilidades na Igreja, tanto mais sobressaem a identidade específica e o papel insubstituível do sacerdote como pastor do conjunto da comunidade, como testemunha da autenticidade da fé e dispensador, em nome de Cristo-Cabeça, dos mistérios da salvação”.

“A função do presbítero é essencial e insubstituível para o anúncio da Palavra e a celebração dos Sacramentos, sobretudo da Eucaristia, memorial do Sacrifício supremo de Cristo, que dá o seu Corpo e o seu Sangue. Por isso urge pedir ao Senhor que envie operários à sua Messe; além disso, é preciso que os sacerdotes manifestem a alegria da fidelidade à própria identidade com o entusiasmo da missão”.

Seguidamente o Papa Bento XVI ressaltou em relação à falta de sacerdotes que “é importante evitar que tal situação seja considerada normal ou típica do futuro”. Por isso animou aos bispos a “concentrar esforços para despertar novas vocações sacerdotais e encontrar os pastores indispensáveis, melhor formados e mais numerosos para sustentar a vida de fé e a missão apostólica dos fiéis”.

Veja tambem  «Situação em Mianmar é cada vez mais desesperadora»

Mais uma vez, neste período em que a Igreja celebra o Ano Sacerdotal, Bento XVI propôs o Santo Cura d’Ars e Frei Galvão como modelos para os presbíteros, pois ambos procuraram imitar Jesus Cristo, fazendo-se não só sacerdote, mas também vítima e oblação como Jesus.

Finalmente o Papa remarcou que “já se manifestam numerosos signos de esperança para o futuro das Iglesias particulares, um futuro que Deus está preparando através da dedicação e da fidelidade com que exercem seu ministério episcopal”.




Comentários no Facebook:

comments

Anteriores

Colóquios entre Vaticano e lefebvristas em outubro

Próximo

Representante Ortodoxo Russo: não há rivalidade com os católicos

  1. O sacerdócio de Melquizedeque, tem sido pouco citado ultimamente. Creio que uma vez que Jesus o exerceu em sua plenitude, e como Caminho para todos nós, o faculta ao Homem que tende a lhes assemelhar naquilo que lhes for possível. O que seria Ele?O que seria o Reino de Sacerdotes?Vejo na oração sacerdotal do Senhor a resposta. Ele ora pelos que Seu Pai lhes dera, para que nenhum se perca, mas que onde ele esteja, esteja também eles. Isso nos ensina que todos somos responsáveis por aqueles que queremos ao nosso lado pela eternidade, e que é pela oração que proporcionamos a união entre os que amamos e servimos e o Deus da Misericórdia, Aquele que é Todo Amor. Ao meu ver todos que o Senhor me deu para caminhar comigo, se na carne ou em espírito, constitui a minha Igreja, e cabe a mim Uni-la a Igreja de Cristo atravéz da oração, exortação e testemunho. Essa missão é um sacerdócio e um direito, e nada conflita com os dispenseiros instituidos por Paulo e pelo Evangelho

Deixe uma resposta

Desenvolvido em WordPress & Tema por Anders Norén