Intervenção do presidente da conferência episcopal venezuelana diante do Papa

CIDADE DO VATICANO, segunda-feira, 8 de junho de 2009 (ZENIT.org).- O Evangelho é a única resposta que os bispos da Venezuela oferecem às tensões provocadas no país pela implantação do socialismo do século 21, garante o presidente da Conferência Episcopal.

Dom Ubaldo R. Santana Sequera FMI, arcebispo de Maracaibo, assegurou na manhã desta segunda-feira a Bento XVI, na audiência que este concedeu aos prelados do país, que os pronunciamentos do episcopado diante do projeto político do presidente Hugo Chávez se inspiraram sempre em sua missão religiosa e evangelizadora.

No encontro, realizado na Sala do Consistório do Vaticano, o representante do episcopado reconheceu que um dos serviços centrais que os bispos realizaram “foi o de iluminar a partir da fé o difícil caminho que o povo venezuelano vem percorrendo há uma década”.

“Como se sabe – esclareceu –, na Venezuela foi imposto há dez anos um novo projeto político chamado socialismo do século 21, de cunho revolucionário, que introduziu profundas modificações em todas as dimensões da vida do país, contou com ingentes ingressos provenientes do petróleo em sua implantação e causou crescentes polarizações econômicas, sociais e culturais.”

“A progressiva execução deste projeto polarizou o país e o dividiu em grupos contrapostos”, informou ao Papa o prelado venezuelano.

“Esta confrontação – prosseguiu –, que foi resolvida através de numerosos eventos eleitorais, provocou uma crescente polarização política, aumentou a violência, a insegurança e o ódio, colocando em sério risco a convivência democrática.”

“Frente a tais ameaças, e sabendo que a maioria da população é profundamente religiosa e católica, nós nos sentimos chamados, como pastores, a emitir numerosas mensagens, cartas e exortações pastorais”, esclarece o presidente da Conferência Episcopal.

“Nestes pronunciamentos, agimos com unanimidade, centramo-nos em nossa missão religiosa e evangelizadora, convocamos todos os setores ao entendimento, ao diálogo e à reconciliação, apelamos às raízes cristãs da nossa nação, recordamos tanto a governantes como a governados os princípios fundamentais da doutrina social da Igreja, defendemos os mais pobres, procuramos sempre o bem comum e a construção da convivência democrática”, disse Dom Santana Sequera.

Veja tambem  «Estar em férias com Deus»: proposta para Ano Paulino

“Não buscamos benefícios nem privilégios – sublinhou –, mas somente a glória de Deus, o bem da Igreja e a vida abundante do nosso povo.”

“O exercício deste ministério profético nos trouxe incompreensões e ataques por parte de alguns setores da sociedade e do governo, mas contamos com a luz e com a fortaleza do Espírito do Senhor Jesus para continuar dando testemunho com fidelidade e alegria.”

Em seu discurso, o Papa apoiou os bispos nesta tarefa, ao valorizar seu “empenho por irradiar a luz do Evangelho sobre os acontecimentos de maior relevância que afetam vosso país, sem outros interesses fora da difusão dos mais genuínos valores cristãos, visando também a favorecer a busca do bem comum, a convivência harmônica e a estabilidade social”.

O presidente da Conferência considerou que esta visita é muito importante para a Igreja na Venezuela, que historicamente se caracterizou por seu amor ao Papa e por sua proximidade dele, como sucessor do apóstolo Pedro.

A Igreja da Venezuela com o Papa

“A história da nossa Igreja, nestes últimos dois séculos, ensinou-nos que estreitar a comunhão e consolidar a unidade cum Petro et sub Petro (com Pedro e sob Pedro, N. da R.) são bens particularmente preciosos, já que vivemos em carne própria a ameaça por parte de governos anticlericais, de separar-nos da rocha romana, criando igrejas nacionais submetidas aos poderes em vigor no momento.”

E recordando os ataques que a mídia lançou nos meses passados, o prelado disse ao Papa: “Queremos que o senhor saiba que na Venezuela os pastores e os católicos o amamos, respeitamos e seguimos. Conte sempre com a nossa fidelidade e com as nossas orações”.




Comentários no Facebook:

comments