take-care-iraqis

Os líderes cristãos do Iraque continuam se perguntando por que o mundo finge ignorar a situação das minorias cristãs do país.

Reunidos na semana passada em Erbil, cidade próxima de Mossul, os líderes das comunidades católicas e cristãs ortodoxas do Iraque lançaram seu apelo às pessoas de todo o mundo para romperem o silêncio em torno à limpeza étnica perpetrada contra os cristãos e outras minorias.

“Temos que perguntar ao mundo: por que vocês se calam? Por que vocês não falam? Os direitos humanos existem ou não existem? E se existem, onde é que eles estão?”, questionou o bispo auxiliar de Bagdá, dom Shlemon Warduni, em entrevista à Rádio Vaticano. “Há muitos, muitos casos que devem despertar a consciência de todo o mundo. Onde é que está a Europa? Onde é que está a América?”.

Dom Warduni acrescentou que o silêncio do Ocidente é agravado por rumores de que mais de 2.000 militantes das tropas do grupo extremista EI (Estado Islâmico) “são mercenários europeus e norte-americanos”.

Warduni declarou que, na manhã da reunião, os bispos se dirigiram ao presidente do Curdistão, que se comprometeu: “Ou partimos todos juntos, ou ficamos, mas todos juntos. Nós temos que parar essa gente, que está cometendo atropelos, fazendo coisas terríveis contra as pessoas, as crianças, os idosos, os doentes”. O líder curdo “garantiu proteção para os cristãos”, completou o bispo auxiliar.

Por sua vez, o patriarca da Igreja Católica Caldeia no Iraque escreveu para o secretário geral da ONU, Ban Ki-Moon, pedindo mais pressão sobre o governo iraquiano e a comunidade internacional a fim de reforçarem a assistência aos cristãos e às minorias perseguidas pelos militantes islâmicos do Iraque.

Veja tambem  Atrocidades no Iraque: Extremistas do Estado Islâmico executam crianças cristãs e escravizam mulheres

“A nossa comunidade tem sofrido uma parcela desproporcional do sofrimento causado por conflitos sectários, ataques terroristas, migração e, agora, até mesmo pela limpeza étnica: os militantes querem acabar com a comunidade cristã”, escreveu o patriarca Louis Raphael I Sako.

Partidos políticos cristãos se voltaram na quarta-feira ao escritório da ONU em Ankawa para exigir que a comunidade internacional proteja os cristãos iraquianos.

Especula-se que mais de 1,2 milhão de pessoas tiveram que fugir das próprias casas durante o último mês. Com a violência e a instabilidade se espalhando aterradoramente e as temperaturas do verão chegando aos 30 graus, as pessoas desabrigadas enfrentam urgente necessidade de auxílio. Além das minorias iraquianas perseguidas em seu próprio país, há mais de 225.000 refugiados da Síria vivendo no norte do Iraque. O Estado Islâmico está controlando atualmente 40% do território do Iraque e 30% do da Síria.

Os extremistas continuam a purga não só dos cristãos, mas também dos símbolos religiosos que eles consideram ofensivos à sua interpretação fundamentalista do islã. Na última semana, a Associated Press (AP) divulgou declarações dos moradores de Mossul que dão conta de que os militantes extremistas islâmicos explodiram um santuário muçulmano considerado pela tradição como o local do sepultamento do profeta Jonas. Os moradores dizem que os militantes do Estado Islâmico, que invadiram Mossul em junho e impuseram à cidade a sua interpretação radical da lei islâmica, ordenaram que todos saíssem da Mesquita e Santuário do Profeta Younis (Jonas), construído sobre um sítio arqueológico que remonta ao século VIII a.C., e em seguida o explodiram.

Os extremistas retiraram as cruzes de todas as trinta igrejas e mosteiros de Mossul e transformaram a catedral siríaca ortodoxa em mesquita, de acordo com informações da Agência Internacional de Notícias Assíria.

Veja tambem  10 coisas que você precisa saber sobre os extremistas do Estado Islâmico

Em notícia de primeira página, o jornal L’Osservatore Romano apresentou o grupo Estado Islâmico como o “Califado da Brutalidade”, explicando que o seu líder, Abu Bakr al-Baghdadi, ordenou que todas as mulheres e meninas no território sob seu domínio sofressem mutilação genital. O diário vaticano informou ainda que o EIIL já tinha ordenado anteriormente que “as famílias entregassem suas filhas virgens para se casar com os jihadistas”. O grupo terrorista também segregou as universidades por sexo.

Os legisladores iraquianos elegeram o veterano político curdo Fouad Massoum como novo presidente do país, enquanto lutam para formar um novo governo em meio à blitz extremista que tomou conta de grande parte do Iraque setentrional e ocidental. A eleição deixa Bagdá um pouco mais perto de formar um novo governo que “encare a tarefa gigantesca de cuidar das profundas divisões que estão dilacerando o país”, escreveu o repórter Loveday Morris, do Washington Post.

Um acordo informal de partilha do poder no Iraque determina que o cargo de presidente seja ocupado por um curdo, o de presidente do parlamento por um sunita e o de primeiro-ministro por um xiita.

A Associated Press, citando altos políticos iraquianos, informou que o primeiro-ministro Nouri al-Maliki rejeitou uma tentativa do Irã de convencê-lo a renunciar, destacando a sua determinação de desafiar até mesmo o principal aliado a pressionar pela confirmação de um terceiro mandato, o que exacerbou ainda mais a crise política do país.

Durante semanas, Al-Maliki resistiu à pressão crescente para deixar o cargo, inclusive de ex-aliados políticos xiitas e das principais autoridades espirituais xiitas do Iraque. Seus críticos veem o primeiro-ministro xiita como um elemento de divisão, inadequado para formar um governo capaz de obter o apoio da minoria sunita contra a insurgência dos extremistas, cujos líderes também são sunitas.

Veja tambem  A Igreja contará com um novo santo e 35 novos beatos

O EI prometeu continuar a ofensiva, agora em direção a Bagdá. Os avanços do grupo terrorista parecem ter arrefecido depois que os seus militantes ultrapassaram as áreas predominantemente sunitas do Iraque, mas o governo do país ainda não teve forças para lançar uma contra-ofensiva eficaz.

EstadoIslâmico reivindicou a autoria de um atentado suicida na capital na terça-feira da semana passada, quando 31 pessoas foram mortas e 58 ficaram feridas. O ataque aconteceu quando os xiitas se dirigiram a um importante santuário para fazer as orações do mês sagrado islâmico do Ramadã. Em comunicado publicado online, o grupo terrorista afirmou que o ato foi “uma resposta às hostilidades do governo”, que é chefiado por xiitas.

Fonte: Aleteia




Comentários no Facebook:

comments