Reunião da Comissão bilateral em Jerusalém

JERUSALÉM, terça-feira, 20 de março de 2007 (ZENIT.org).- A última reunião do organismo mais representativo do diálogo entre judeus e católicos lançou um chamado à defesa da liberdade religiosa.

«A liberdade religiosa e de consciência e seus limites» foi precisamente o tema do encontro da Comissão bilateral, da qual faz parte a Delegação da Comissão da Santa Sé para as Relações Religiosas com os Judeus e a delegação para as Relações com a Igreja Católica do Grão-Rabinato de Jerusalém.

O encontro, celebrado em Jerusalém de 11 a 13 de março, foi presidido pelo cardeal argentino Jorge María Mejía, arquivista e bibliotecário emérito da Santa Igreja romana, e pelo rabino-chefe Shear Yashuv Cohen.

«A capacidade humana para escolher é uma manifestação da imagem divina segundo a qual todas as pessoas foram criadas, e o fundamento do conceito bíblico da responsabilidade humana e da justiça divina», começa dizendo a declaração final citando o Gênesis e o Deuteronômio.

«A liberdade de escolha se deriva de Deus e por este motivo não é absoluta, deve refletir a vontade e a lei divinas», segue dizendo o texto publicado nesta terça-feira.

«Deste modo, os seres humanos estão chamados a obedecer livremente a vontade divina tal como se manifesta na Criação e em sua Palavra revelada», acrescenta.

Agora, declaram os representantes de judeus e católicos, «a idéia do relativismo moral está contra esta visão religiosa do mundo e constitui uma séria ameaça para a humanidade».

«Ainda que o Iluminismo tenha propiciado uma purificação do abuso da religião, a sociedade secular continua necessitando de fundamentos religiosos para justificar valores morais duradouros», constata o documento.

«Entre estes princípios, tem uma importância decisiva o caráter sagrado da vida humana e sua dignidade — acrescenta. O monoteísmo ético afirma que se trata de direitos humanos invioláveis.»

Veja tambem  Acordo entre Brasil e Santa Sé é aprovado na Câmara dos Deputados

«Ainda que o estado, em virtude deste princípio, não deve limitar a liberdade religiosa de indivíduos e comunidades, nem a liberdade de consciência, contudo, tem a responsabilidade de garantir o bem-estar e a segurança da sociedade», declara.

«Por este motivo, tem a obrigação de intervir onde e quando se dê uma ameaça através da promoção, do ensino ou do exercício da violência, e especificamente do terrorismo e da manipulação psicológica, em nome da religião», sublinham os representantes religiosos.

«É legítimo que uma sociedade com uma identidade religiosa predominante possa preservar seu caráter, sob a condição de que isso não limite a liberdade das comunidades minoritárias e dos indivíduos a professar um compromisso religioso alternativo, nem a integridade de seus direitos civis», declara o comunicado.

«Ao longo da história, as comunidades religiosas não foram sempre fiéis a esses valores. Por este motivo, os líderes religiosos têm uma especial obrigação de prevenir o uso inapropriado da religião e de educar no respeito da diversidade, que é essência para assegurar uma sociedade sadia, estável e pacífica.»

«Neste sentido, têm um papel especial as famílias, as escolas e as autoridades do estado e da sociedade, assim como os meios de comunicação, para transmitir estes valores às futuras gerações.»

A declaração da Comissão bilateral conclui com um chamado desde Jerusalém aos líderes religiosos e políticos da região para que trabalhem «com determinação pela promoção da paz, da dignidade, da segurança e da tranqüilidade na Terra Santa, a favor de seus povos e do mundo em seu conjunto».




Comentários no Facebook:

comments