Biblista redescobre atualidade de São Paulo

Entrevista a Salvador Carrillo A., M.Sp.S.

ROMA, quarta-feira, 12 de março de 2008 (ZENIT.org).- Aproxima-se o Ano de São Paulo e proliferam livros e comentários sobre a vida deste apóstolo. Um deles se centra em reconstruir a vida deste santo e foi escrito pelo Pe. Salvador Carrillo Alday, M.Sp.S (Missionário do Espírito Santo), membro da Faculdade Bíblica Católica.

O biblista reconhece à Zenit que o maior bem que pode sair do Ano de São Paulo será constatar que o que o apóstolo dos gentios escreveu «não são escritos frios de um passado sem alma, mas testemunhos ardentes e cheios de vida».

O Pe. Alday publicou em espanhol «Paulo, apóstolo de Cristo. Sua vida e suas epístolas», na editora Verbo Divino (www.verbodivino.es).

Fundador do Instituto de Pastoral Bíblica no México DF e ex-diretor da Seção Bíblica do Instituto Teológico Pastoral do CELAM (www.celam.org), do Conselho Episcopal Latino-Americano, o Pe. Carrillo é doutor em Sagradas Escrituras e estudou em Roma e na École Biblique de Jerusalém.

–A documentação que se possui de Paulo permite reconstruir a vida do chamado «apóstolo dos gentios»?

–Pe. Carrillo: Escrever uma vida crítica de Paulo, com precisão em todas suas circunstâncias históricas, é uma tarefa impossível.

A documentação que possuímos – epístolas de Paulo e Atos dos Apóstolos de Lucas – é fragmentária; portanto, abre-se um espaço amplo para diversas suposições ou hipóteses, tanto na seqüência dos acontecimentos, na escolha das datas e na autenticidade de suas epístolas; esta realidade facilmente pode ser constatada lendo diferentes comentaristas.

Contudo, das duas fontes que possuímos, surge uma imagem vigorosa do grande apóstolo dos gentios.

Suas epístolas nos fazem conhecer, e mais ainda, tocar ao vivo o apóstolo, com seu caráter e temperamento, seu vigor e seu dinamismo, suas geniais intuições doutrinais e, sobretudo, a profundidade de sua vida espiritual, centrada em Cristo Jesus, que o encontrou no caminho de Damasco.

Veja tambem  Papa denuncia injustiça que condena 800 milhões de pessoas à fome

Paulo deixou a lembrança desse encontro que mudou sua vida diametralmente, na expressão lapidária: «Ele me amou e se entregou por mim» (Gál 2, 19).

–O que sabemos de sua vida, sua família, seu estado de vida?

–Pe. Carrillo: Sabemos pouco da família de Paulo. Seus pais eram judeus palestinos, que tiveram de emigrar de sua terra para refugiar-se em Tarso de Cilícia, onde encontraram uma maneira confortável de viver.

De sua vida, conhecemos o contexto geral como se vê nos Atos dos Apóstolos; e suas cartas nos ilustram sobre as peripécias de suas correrias apostólicas, o que teve de sofrer, e seus sentimentos íntimos anteriores à sua morte.

Sobre seu estado de vida, é muito difícil, por não dizer impossível, chegar a uma certeza total. Paulo aparece facilmente como solteiro e celibatário; mas dificilmente podemos imaginá-lo casado e prematuramente viúvo.

–O que quer dizer que a missão de Paulo ainda não terminou?

–Pe. Carrillo: A missão de Paulo, em um sentido comum, terminou com sua morte; mas, ao ter sido tomado pelo Espírito Santo como instrumento para escrever, com inspiração divina, o tesouro de suas Epístolas, continua e continuará sendo sempre o apóstolo dos gentios e o mestre da fé em Cristo.

–Paulo, «evangelizado» e «evangelizador», representa a figura ideal do cristão?

–Pe. Carrillo: Paulo foi evangelizado, sobretudo pelo próprio Jesus, no dia de sua conversão, nos dias em Damasco e em outros momentos cruciais de sua vida.

Deve também ter aprendido muitas coisas acerca da vida terrena de Jesus, através dos primeiros cristãos, particularmente de Pedro, João e Tiago de Jerusalém.

Mas depois, o Espírito Santo o ungiu e o transformou em um grande evangelizador, que levou o testemunho de Jesus até os confins da terra.

Veja tambem  Os milagres de Jesus realmente aconteceram?

Neste sentido, Paulo pode ser na atualidade um modelo para todo evangelizador, com tal de que este conheça o núcleo central da proclamação que o apóstolo comunicava com amor e com paixão, escrutando o que vinha à sua mente e o que meditava em seu coração.

–O que significará o Ano de São Paulo para os cristãos?

–Pe. Carrillo: O Ano de São Paulo pode ser muito proveitoso e enriquecedor para todo evangelizador na Igreja, e para todos os cristãos em geral.

Durante este ano, aparecerá certamente muita literatura acerca do apóstolo Paulo, e será muito útil; mas deve-se enfatizar que o melhor fruto que se poderá recolher deste ano será a leitura, o estudo, a contemplação e, sobretudo, a vivência de tudo que leiamos diretamente nas epístolas do apóstolo dos gentios, que não são escritos frios de um passado sem alma, mas testemunhos ardentes e cheios de vida, que convidam inclusive à mais elevada transformação em Cristo, nos dias do mundo de hoje.




Comentários no Facebook:

comments

Anteriores

O Papa lembra urgência de “evangelizar as culturas” na América Latina

Próximo

Cristo ressuscitado cura as chagas da humanidade, diz o Papa em sua mensagem pascal

  1. Achei maravilhoso e de grande valia espiritual e humana esta materia sobre o apostolo dos gentios, São Paulo, como também outras que ja li e muito me ajudaram em minhas pregações e missões.

Deixe uma resposta

Desenvolvido em WordPress & Tema por Anders Norén