CIDADE DO VATICANO, quarta-feira, 14 de março de 2007 (ZENIT.org).- A Igreja deve conseguir sintetizar em si mesma a unidade interna e o anúncio generoso do Evangelho ao mundo, considera Bento XVI.

Assim explicou nesta quarta-feira durante a audiência geral concedida em uma ensolarada praça de São Pedro, no Vaticano, que acolhia quarenta mil peregrinos.

Continuando com o ciclo de catequeses sobre os Padres Apostólicos da Igreja, o Papa apresentou a figura de Santo Inácio de Antioquia, terceiro bispo dessa cidade (que hoje faz parte da Turquia) do ano 70 a 107, data de seu martírio em Roma, onde foi devorado pelas feras.

O Papa repassou o legado espiritual que esse mártir deixou aos cristãos de todos os tempos, comentando suas sete cartas, nas quais «se sente o frescor da fé da geração que ainda havia conhecido os apóstolos» e «o amor ardente de um santo».

«Nenhum Padre da Igreja expressou com a intensidade de Inácio o anseio pela ‘união’ com Cristo e pela ‘vida’ n’Ele», constatou.

Para Inácio, explicou o Santo Padre, «a unidade é antes de tudo uma prerrogativa de Deus, que existindo em três Pessoas é Um em uma absoluta unidade».

Deste modo, o bispo mártir elaborou uma particular visão da Igreja, segundo a qual «a unidade que os cristãos têm de realizar sobre esta terra não é mais que uma imitação, o mais conforme possível, do modelo divino».

«Em seu conjunto, pode-se perceber nas Cartas de Inácio uma espécie de dialética constante e fecunda entre dois aspectos característicos da vida cristã: por um lado, a estrutura hierárquica da comunhão eclesial, e por outro, a unidade fundamental que liga entre si todos os fiéis em Cristo», indicou o bispo de Roma.

Veja tambem  Pseudo-Dionísio Areopagita

«Portanto, os papéis não se podem contrapor — advertiu. Ao contrário, a insistência da comunhão dos crentes entre si e com seus pastores se reforça constantemente mediante imagens eloqüentes e analogias: a cítara, os instrumentos de corda, a entoação, o concerto, a sinfonia.»

«É evidente, de peculiar responsabilidade dos bispos, dos presbíteros e os diáconos na edificação da comunidade. A eles se dirige, antes de tudo, o chamado ao amor e à unidade», sublinhou.

O sucessor de Pedro apresentou Inácio como «doutor da unidade»: «unidade de Deus e unidade de Cristo (em oposição às diferentes heresias que começavam a circular e que dividiam o homem e Deus em Cristo), unidade da Igreja, unidade dos fiéis, ‘na fé e na caridade, pois não há nada mais excelente que ela’».

«Em definitivo, o ‘realismo’ de Inácio é um convite para os fiéis de ontem e de hoje, é um convite para todos nós a alcançar uma síntese progressiva entre ‘configuração com Cristo’ (união com Ele, vida n’Ele) e ‘entrega à sua Igreja’ (unidade com o bispo, serviço generoso à comunidade e ao mundo).»

«É necessário — concluiu o Santo Padre — conseguir uma síntese entre ‘comunhão’ da Igreja em seu interior e ‘missão’, proclamação do Evangelho aos outros, até que uma dimensão fale através da outra.»




Comentários no Facebook:

comments