VATICANO, 07 Mai. 09 / 11:42 am (ACI).- Ao receber aos 32 novos Guardas Suíços Pontifícios  –que ontem fizeram seu juramento– junto a seus familiares, o Papa Bento XVI destacou que “a Igreja Católica é internacional. Mas em sua multiplicidade é, entretanto, uma única Igreja, que se expressa na mesma confissão de fé e está unida muito concretamente em seus laços com Pedro e com seu sucessor, o Papa”.

Em seu discurso em alemão, italiano e francês, o Papa recordou aos novos guardas que uma de suas missões é “velar pela casa do Papa, o Palácio Apostólico, mas não somente pelo edifício e suas prestigiosas salas, se não acima de tudo pelas pessoas com as que passem por eles e às quais brindarão sua amabilidade e atenção”.

“Em primeiro lugar pelo mesmo Papa, pelas pessoas que vivem com ele e por seus colaboradores e hóspedes no Palácio. Mas sua tarefa corresponde igualmente à vida em comum com seus camaradas, que compartilham seu serviço e que têm o mesmo dever de servir ao Soberano Pontífice ‘com fidelidade, lealdade e boa fé’ e de dar, se for necessário, a vida por ele”, indicou.

Referindo-se a Roma, o Santo Padre indicou aos guardas que a cidade, não só se distingue pela “rica história e a cultura”, mas também porque aqui “a mesma fé e a oração se transformaram ao longo dos séculos em pedras e construções. Este ambiente nos acolhe e nos inspira para tomar como modelo aos inumeráveis Santos que viveram aqui e que nos fazem avançar em nossa vida de fé”.

“Em Roma, onde se acha o centro da Igreja universal, encontramos cristãos de todo o círculo”, explicou.

Finalmente, assinalou que “a Igreja reúne homens e mulheres de culturas muito diversas; todos formam uma comunidade na qual se vive e se crê juntos e, nas coisas essenciais da vida, nos compreendemos uns aos outros. Esta é uma experiência muito importante que a Igreja quer lhes oferecer para que a façam sua e a comuniquem a outros: a experiência de que a fé em Jesus Cristo e em seu amor pelos seres humanos, inclusive de mundos tão diversos podem formar uma só coisa, criando dessa maneira pontes de paz e de solidariedade entre os povos”.

Veja tambem  A história do menino que esteve nos braços de Jesus



Comentários no Facebook:

comments