Intervenção na audiência geral desta quarta-feira

CIDADE DO VATICANO, quarta-feira, 18 de abril de 2007 (ZENIT.org).- Publicamos a intervenção de Bento XVI na audiência geral desta quarta-feira, dedicada a apresentar a figura do padre apostólico Clemente de Alexandria.

* * *

Queridos irmãos e irmãs:

Depois do tempo das festas, voltemos às catequeses normais, apesar de que visivelmente a praça está ainda em festa. Com as catequeses voltemos, como dizia, ao tema começado antes. Havíamos falado dos doze apóstolos, depois dos discípulos dos apóstolos, agora das grandes personalidades da Igreja nascente, da Igreja antiga. Da última vez havíamos falado de Santo Irineu de Lyon, hoje falaremos de Clemente de Alexandria, um grande teólogo que nasce provavelmente em Atenas, em torno da metade do século II. De Atenas herdou um agudo interesse pela filosofia, que faria dele um dos pioneiros do diálogo entre fé e razão na tradição cristã. Quando ainda era jovem, chegou a Alexandria, a «cidade símbolo» desse fecundo cruzamento entre diferentes culturas que caracterizou a idade helenista. Foi discípulo de Pateno, até sucedê-lo na direção da escola catequética. Numerosas fontes testificam que foi ordenado presbítero. Durante a perseguição de 202-203, abandonou Alexandria para refugiar-se em Cesaréia, na Capadócia, onde faleceu no ano 215.

As obras mais importantes que nos restam dele são três: o «Protréptico», o «Pedagogo», e os «Stromata». Ainda que parece que não era a intenção originária do autor, estes escritos constituem uma autêntica trilogia, destinada a acompanhar eficazmente a maturação espiritual do cristão.O «Protréptico», como a própria palavra indica, é uma «exortação» dirigida a quem começa e busca o caminho da fé. Mais ainda, o «Protréptico» coincide com uma Pessoa: o Filho de Deus, Jesus Cristo, que se converte em «exortador» dos homens para que empreendam com decisão o caminho da Verdade. O próprio Jesus Cristo se converte depois em «Pedagogo», ou seja, em «educador» daqueles que, em virtude do Batismo, converteram-se em filhos de Deus. O próprio Jesus Cristo, por último, é também «didascalo», ou seja, «mestre», que propõe os ensinamentos mais profundos. Estes se recolhem na terceira obra de Clemente, os «Stromata», palavra grega que significa: «tapeçarias». Trata-se de uma composição que não é sistemática, mas trata de diferentes argumentos, fruto direto do ensinamento habitual de Clemente.

Veja tambem  A Bíblia ensina a reencarnação?

Em seu conjunto, a catequese de Clemente acompanha passo a passo o caminho do catecúmeno e do batizado para que, com as duas «asas» da fé e da razão, chegue a um conhecimento da Verdade, que é Jesus Cristo, o Verbo de Deus. Só o conhecimento da pessoa que é a verdade é a «autêntica gnoses», a expressão grega que quer dizer «conhecimento», «inteligência». É o edifício construído pela razão sob o impulso de um princípio sobrenatural. A própria fé constitui a autêntica filosofia, ou seja, a autêntica conversão ao caminho que se deve tomar na vida. Portanto, a autêntica «gnose» é um desenvolvimento da fé, suscitado por Jesus Cristo na alma unida a Ele. Clemente define depois dois níveis da vida cristã.

Primeiro nível: os cristãos crentes que vivem a fé de uma maneira comum, ainda que esteja sempre aberta aos horizontes da santidade. Depois está o segundo nível: os «gnósticos», ou seja, os que já levam uma vida de perfeição espiritual; em todo caso, o cristão tem de começar pela base comum da fé e através de um caminho de busca, deve deixar-se guiar por Cristo e deste modo chegar ao conhecimento da Verdade e das verdades que conformam o conteúdo da fé. Este conhecimento, diz-nos Clemente, converte-se para a alma em uma realidade viva: não é só uma teoria, é uma força de vida, é uma união de amor transformante. O conhecimento de Cristo não é só pensamento, mas é amor que abre os olhos, transforma o homem e cria comunhão com o «Logos», com o Verbo divino que é verdade e vida. Nesta comunhão, que é o perfeito conhecimento e é amor, o perfeito cristão alcança a contemplação, a unificação com Deus.

Clemente retoma finalmente a doutrina, segundo a qual, o fim último do homem consiste em ser semelhante a Deus. Fomos criados à imagem e semelhança de Deus, mas isso é também um desafio, um caminho; de fato, o objetivo da vida, o destino último consiste verdadeiramente em tornar-se semelhante a Deus. Isso é possível graças à co-naturalidade com Ele, que o homem recebeu no momento da criação, motivo pelo qual por si já é imagem de Deus. Esta co-naturalidade permite conhecer as realidades divinas às que o homem adere antes de tudo pela fé e, através da vivência da fé, da prática das virtudes, pode crescer até chegar à contemplação de Deus. Deste modo, no caminho da perfeição, Clemente dá a mesma importância ao requisito moral que ao intelectual. Os dois estão unidos, porque não é possível conhecer sem viver e não se pode viver sem conhecer. Não é possível assemelhar-se a Deus e contemplá-lo simplesmente com o conhecimento racional: para conseguir este objetivo é necessária uma vida segundo o «Logos», uma vida segundo a verdade. E, portanto, as boas obras têm de acompanhar o conhecimento intelectual, como a sombra acompanha o corpo.

Veja tambem  Reflexões sobre a História da Queda do Homem (Gn 3,1-24)

Há duas virtudes que adornam particularmente a alma do «autêntico gnóstico». A primeira é a liberdade das paixões («apátheia»); a outra, é o amor, a verdadeira paixão, que assegura a união íntima com Deus. O amor dá a paz perfeita, e faz com que o «autêntico gnóstico» seja capaz de enfrentar os sacrifícios maiores, inclusive o sacrifício supremo no seguimento de Cristo, e o faz subir de nível até chegar ao cume das virtudes. Deste modo, o ideal ético da filosofia antiga, ou seja, a libertação das paixões, volta a ser redefinido por Clemente e conjugado com o amor, no processo incessante que leva a assemelhar-se a Deus.

Desta maneira, o pensador de Alexandria propiciou a segunda grande oportunidade de diálogo entre o anúncio cristão e a filosofia grega. Sabemos que São Paulo no Areópago de Atenas, onde Clemente nasceu, havia feito a primeira tentativa de diálogo com a filosofia grega, e em boa parte havia fracassado, pois lhe disseram: «Outra vez te escutaremos». Agora Clemente, retoma este diálogo, e o enobrece ao máximo na tradição filosófica grega. Como escreveu meu venerado predecessor João Paulo II na encíclica «Fides et ratio», Clemente de Alexandria chega a interpretar a filosofia como «uma instrução propedêutica à fé cristã (n. 38). E, de fato, Clemente chegou a afirmar que Deus teria dado a filosofia aos gregos «como um Testamento próprio para eles» («Stromata», 6, 8, 67, 1). Para ele, a tradição filosófica grega, quase como acontece com a Lei para os judeus, é o âmbito de «revelação», são duas correntes que em definitivo se dirigem ao mesmo «Logos». Clemente continua marcando com decisão o caminho de quem quer «dar razão» de sua fé em Jesus Cristo. Pode servir de exemplo aos cristãos, aos catequistas e aos teólogos de nosso tempo, aos que João Paulo II, na mesma encíclica, exortava «a recuperar e sublinhar mais a dimensão metafísica da verdade para entrar assim em diálogo crítico e exigente com o pensamento filosófico contemporâneo».

Veja tambem  Acordo para levar Pl122 a vitoria agendada para próximo dia 19

Concluamos com uma das expressões da famosa «oração a Cristo ‘Logos’», com a qual Clemente conclui seu «Pedagogo». Sua súplica diz assim: «Mostrai-vos propício a vossos filhos»; «concedei-nos viver em vossa paz, mudar-nos para a vossa cidade, atravessar sem ficar submergidos nas correntes do pecado, ser transportados com serenidade pelo Espírito Santo pela Sabedoria inefável: nós, que de dia e de noite, até o último dia elevamos um canto de ação de graças ao único Pai, ao Filho pedagogo e mestre, junto ao Espírito Santo. Amém!» (Pedagogo 3, 12, 101).

[Tradução realizada por Zenit. Ao final da audiência o Papa saudou os peregrinos em língua portuguesa. Essas foram suas palavras:]

Saúdo com amizade e gratidão o grupo de Belo Horizonte e demais peregrinos de língua portuguesa aqui presentes: Que Deus vos seja propício e Se compraza nesta vossa romagem até à Sé de Pedro. Há quatrocentos anos, o Papa Paulo V tudo predispunha para uma digna recepção da embaixada do Reino do Congo – hoje Angola – guiada pelo primo do rei Álvaro II, Dom António Emanuel ne Vunda, que as crónicas romanas cognominaram o «Negrita», o primeiro Embaixador negro de um reino cristão de África. O desejado encontro teve lugar na noite de 5 de Janeiro de 1608, nos palácios do Vaticano, com o meu Predecessor que não hesitou em vir pessoalmente confortá-lo, detendo-Se à cabeceira do leito onde jazia, gravemente doente, este nobre filho cristão do Congo, cuja vida e reino encomendou à protecção do Sucessor de Pedro.

Na linha desta significativa e emblemática ocorrência, em que o povo de Angola se espelha, invoco a benevolência de Deus sobre a Nação inteira para que cada um contribua para consolidar a paz assinada há cinco anos com a promessa de dar a voz ao povo e assim instaurar uma autêntica vida em democracia. A todos peço perseverança na obra de reconciliação dos corações que ainda sangram com as feridas da guerra; alegro-me com a obra de reconstrução em acto e recordo às autoridades religiosas e civis a obrigação que têm de privilegiar os pobres. Deus abençoe Angola!

[© Copyright 2007 – Libreria Editrice Vaticana]




Comentários no Facebook:

comments