Passei vários meses em uma prisão comunista sem ser acusado de nada. O chefe de polícia inspecionava a prisão; ele entrou na minha cela e me fez perguntas habituais sobre a minha instrução e evolução comunista. Em seguida, acrescentou:

─ Eu tenho algo a lhe dizer, ouça… Ontem, durante a inspeção que fazia nas famílias do meu bairro, deparei-me com uma mãe em lágrimas, diante de seu bebê de dois anos, que estava morrendo. Eu lhe disse, então: “Traga-me um pouco de água, eu quero curar o seu filho”. Desconfiada, ela, sempre a me fitar, saiu e retornou com um copo de água nas mãos. Derramei a água sobre a cabeça do bebê, dizendo: “Eu te batizo em nome do Pai, do Filho e do Espírito Santo”.

─ Por que você fez isso? ─ Perguntei-lhe, surpreso. ─ Eu aprendi a fazer isso no colégio e, mesmo sendo pagão, sempre fiquei impressionado, digo, com a facilidade que temos de poder enviar criancinhas ao céu, criancinhas para as quais a terra não quer sorrir.

─ Você fez isso muitas vezes? ─ Apenas duas vezes. ─ Como é que você continua a ser comunista? ─ Se queremos viver e fazer com que nossa família viva, somos forçados a estar com aqueles que são os mestres, mas eu detesto a maneira deles de pensar, de julgar, de ensinar e de agir. Não conte isso a ninguém. ─ Pode confiar em mim; ficarei calado. Eu garanto. Vou rezar por você e que Maria o proteja…

Frei Louis-Claudius, Marista
Missionário na China durante 46 anos
Diretor de colégio e animador da Legião de Maria

E também em:
mariedenazareth.com

Ave Maria, cheia de graça, o Senhor é convosco.
Bendita sois Vós entre as mulheres, bendito é o fruto de Vosso ventre, Jesus. Santa Maria, Mãe de Deus, rogai por nós, pecadores, agora e na hora de nossa morte.
Amém.




Comentários no Facebook:

comments

Veja tambem  Jovem famoso pelo seu cartaz na JMJ se converte ao catolicismo