Jesus não precisava receber o batismo de João, pois se tratava de batismo para o perdão dos pecados (Mt 3,6; Mc 1,5). Era um gesto de disponibilidade em aceitar o Messias que estava chegando, embora o profeta o mostrasse de modo muito diferente, como juiz severo e rigoroso (Mt 3,12).

Então, por que Jesus se apresenta para o batismo de João? “Para cumprir toda a justiça”, esclarece o próprio Jesus.

Note-se um detalhe: depois que Jesus sai da água é que o céu se abre, o Espírito Santo desce sobre ele e o Pai o declara Filho amado que muito lhe agrada. Isso significa que o autêntico batismo de Jesus se dá quando o Espírito Santo desce sobre ele, capacitando-o para a missão de “cumprir toda a justiça”. Ungido pelo Espírito, é proclamado “Filho amado”. Essa expressão é tirada do Sl 2,7, salmo que celebra a posse de um novo rei para o povo de Deus. No dia da posse, Deus adotava o rei e lhe confiava a missão de administrar a justiça para o povo. A expressão “no qual pus o meu agrado” é tomada de Is 42,1, texto que fala de um servo fiel, amado por Deus e cumpridor do seu projeto.

O batismo de Jesus, portanto, diz respeito à sua missão: ele é o rei servidor que vai cumprir toda a justiça, fazendo o reinado de Deus efetivar-se na história da humanidade. Mas não pretende realizar isso sozinho, pois diz “nós devemos…”, envolvendo mais gente. Quem além dele próprio, o Pai e o Espírito? João Batista, os discípulos, você e eu, todos os que sonhamos um mundo melhor, sem injustiças.

O convite a participar desse mutirão nós o recebemos quando fomos batizados e o Espírito nos ungiu. Daí o batismo ser decisão séria, muito séria!

Veja tambem  Fase diocesana da causa de beatificação de João Paulo I terminará este ano

Pe. José Bortolini, ssp




Comentários no Facebook:

comments