Porque sempre será um «homo religiosus»

BARCELONA, quinta-feira, 22 de fevereiro de 2007 (ZENIT.orgVeritas).- O arcebispo de Barcelona, Dom Luiz Martinez Sistach, referiu-se aos conceitos de «secularidade, laicidade e pluralidade», durante uma conferência organizada na cidade pelo Foro Nova Economia, e abordou depois outras questões de interesse em um diálogo mantido com os jornalistas.

Dom Martinez Sistach afirmou que «o conceito secularização não é o mesmo que secularismo, como as instituições seculares não são o mesmo que as instituições religiosas» e acrescentou que atualmente «vivemos um processo de secularização desde 1969, através do analfabetismo religioso, a crise da família e as reformas educativas que criou novos sujeitos religiosos que provocaram a fratura da confiança».

O prelado constatou que «a secularização não conseguiu o fim da religião como se havia predito», já que, segundo afirmou, «o ser humano é ‘insecularizável’, já que o homem sempre será um ‘homo religiosus’».

Dom Sistach insistiu em que, ante o relativismo que se vive, «é necessário destacar a razão humana» e em que «o homem é composto de leis biológicas e leis humanas».

O arcebispo metropolitano explicou que a Doutrina Social da Igreja já deixa constância de que «a laicidade é um valor que o cristianismo ofereceu à nossa sociedade, mas o laicismo não permite que o cristianismo se manifeste no âmbito privado das pessoas».

Desta forma, reivindicou «o papel importante dos leigos na Igreja» já que «o caráter secular é o próprio dos leigos», que «compõem o tecido da existência do cristianismo».

O prelado afirmou que «a Igreja não é muito escutada» e constatou que um problema é «não poder saber até que ponto o que a Igreja diz penetra nas pessoas». Também afirmou que, na atualidade, «a Igreja tem um papel de mãe e mestra, que deve combinar devido às necessidades das pessoas que precisam de carinho e ensinamento».

Veja tambem  A família é o eixo da sociedade, e a Eucaristia o centro da família, diz o Papa

Também apontou que «a Igreja trabalhou muito pela sociedade» e se perguntou «o que seria a sociedade sem a Igreja?». Neste sentido, pediu objetividade, porque a Igreja precisa de auto-estima objetiva e que se valorize seu trabalho e importância na sociedade».

Dom Sistach lamentou que se tenha perdido «o espírito positivo da transição que esquecia o passado para construir o futuro. Atualmente a sociedade está muito politizada e é necessário o reconhecimento das raízes cristãs da Europa».

Finalmente, opinou também sobre a Bioética, afirmando que «o risco que existe, segundo as práticas, é que podemos nos autodestruir, e essa não deve ser somente uma preocupação da Igreja, é obrigatoriamente uma preocupação humana».




Comentários no Facebook:

comments