VATICANO, 31 Mai. 07 / 12:00 am (ACI).- A Sala de Imprensa da Santa Sé anunciou hoje o estabelecimento de relações diplomáticas entre o Vaticano e o Emirados Árabes Unidos, no que consiste um importante passo no diálogo com o mundo islâmico.

A nota assinala que “a Santa Sé e os Emirados Árabes Unidos, desejosos de promover relações de amizade mútua e de desenvolver a cooperação internacional, decidiram estabelecer de comum acordo relacione diplomáticas no nível de Nunciatura Apostólica por parte da Santa Sé e de Embaixada por parte dos Emirados Árabes Unidos, conforme o estabelecido pela Convenção de Viena sobre as relações diplomáticas de 18 de abril de 1961″.

O comunicado conjunto afirma que o acordo foi assinado pelo Arcebispo Celestino Migliore, Observador permanente da Santa Sé ante a ONU, como representante da Santa Sé e pelo Abdulaziz Nasser Al-Shamsi, embaixador extraordinário e plenipotenciário e representante permanente dos Emirados Árabes Unidos ante a ONU, como representante do governo desta Federação.

Os Emirados Árabes Unidos som uma Federação de sete emirados independentes (Abu Dhabi, Ajman, Dubai, Al-Fujayrah, Ras al-Khaimah, Sharjah e Umm al-Qaiwain), situados ao longo da costa centro-oriental da península arábica. A capital é Abu Dhabi.

Tem uma superfície de 83.600 quilômetros quadrados e uma população de mais de quatro milhões de habitantes, com uma alta percentagem (mais de 70%) de trabalhadores estrangeiros provenientes de outros países do Oriente Médio, Paquistão, Índia, Filipinas e Bangladesh.

A maioria dos cidadãos dos Emirados Árabes Unidos são seguidores do Islã, que é a religião oficial do Estado; mas sua Constituição reconhece formalmente a liberdade religiosa e os cristãos podem realizar suas atividades religiosas públicas nas Igrejas e nos complexos paroquiais.

Veja tambem  Livre comércio deve seguir justiça social, lembra Santa Sé

Do ponto de vista pastoral, os Emirados Árabes Unidos formam parte do Vicariato Apostólico da Arábia, que tem sua sede em Abu Dhabi, e está confiado ao Bispo Paul Hinder, O.F.M.Cap.

Estima-se que há mais de um milhão de cristãos, em sua maioria católicos, pertencentes a mais de cem nacionalidades diversas, chegados à região pela demanda de mão de obra e a expansão econômica.

Existem sete Igrejas no país e nelas se celebra a Missa em diversos ritos e línguas.

O comunicado assinala que “se espera que as autoridades do país, que mantêm relações cordiais com a Igreja católica, autorizem a construção de novos edifícios de culto“.




Comentários no Facebook:

comments