Fonte: Apologistas Católicos

Do falacioso site “Got Questions”.

Uma das principais características do Mitraísmo era a refeição sacrificial, que envolvia comer a carne e beber o sangue de um touro. Mitras, o deus do Mitraismo, estava “presente” na carne e no sangue do touro, e quando consumido, concedia salvação àqueles que tomavam parte da refeição sacrificial (teofagia, comer o próprio deus). (…) Constantino e seus sucessores encontraram um substituto fácil para a refeição sacrificial do Mitraísmo no conceito da Ceia do Senhor/Comunhão Cristã. Infelizmente, alguns cristãos primitivos já haviam ligado o misticismo à Ceia do Senhor, rejeitando o conceito bíblico de uma simples e adorativa rememoração da morte e sangue derramado de Cristo. A romanização da Ceia do Senhor completou a transição para a consumação sacrificial de Jesus Cristo, agora conhecida como a Missa Católica/Eucaristia.

Há uma mentira grotesca no texto quando diz que se comia a carne e se bebia o sangue do touro. Na verdade Justino Mártir, falando sobre a eucaristia, nos relata que os mitras usavam água e pão nas suas celebrações: … que os demônios perversos imitaram nos mistérios de Mitra, ordenando a mesma coisa para ser feita. Por que um pão e um copo de água são colocados com encantamentos certos nos ritos místicos de quem está sendo iniciado, que você ora conhece ou pode aprender [1].

Hoje se supõe por alguns achados arqueológicos que poderia haver o uso do vinho, mas isso não era relatado pelos primeiros cristãos. Por tanto é extremamente forçado dizer que bebia sangue e comia carne de um touro. Além disso, dizer que Mitra estava presente na carne e no sangue é um absurdo. Não há nenhuma prova relatada sobre isso, muito menos que isso concedia a salvação para aqueles que o praticavam. Os seguidores dessa religião não escreviam textos sagrados nem tão pouco deixaram escritos onde relatavam as suas práticas. As únicas coisas que restaram foram pinturas e esculturas de Mitra nos locais onde eram praticados os cultos. Dizer sobre presença real e salvação é forçar de mais a calúnia contra a Igreja Católica. Esses argumentos costumam ser usados por ateus e céticos, que afirmam que o cristianismo surgiu do paganismo. Ver um suposto “cristão” distorcer algo que já é uma mentira para usar de acordo com suas convicções é realmente lamentável.

Veja tambem  Bento XVI: Jesus é a alegria de Maria e a alegria da Igreja

O Mitraísmo também possuía sete “sacramentos”, o que faz com que as semelhanças entre o Mitraísmo e o Catolicismo Romano sejam tão numerosas que não as podemos ignorar.

Outra enorme mentira. Eles não possuíam sacramentos mas sim níveis de iniciação, que estavam provavelmente relacionados com a Lua, Mercúrio, Vénus, Sol, Marte, Júpiter e Saturno. Os nívels foram listados por São Jerônimo[2] e são esses: Corax (corvo), Cryphius (oculto), Miles (soldado), Leo (leão), Perses (persa), Heliodromus (emissário solar) e Pater (pai). Esses níveis em nada são sacramentos, mas sim posições dentro da religião. Por exemplo, Leo oferecia a Mitra as oferendas, Chryphius seria como esposo e Miles usava como insígnias a coroa e uma espada. Muitos não passavam no nível de Leo. Eram apenas cargos dentro da religião e não sacramentos. Quem escreveu isso não deve saber nem o que é sacramento. Sobre o nível de Miles, por exemplo, Tertuliano nos conta que candidato era batizado, recebia alguma marca e colocava uma coroa na sua cabeça, proclamando que Mitra era a sua coroa. Posteriormente os iniciados assistiam a uma morte ritual e simulada, cujo celebrante era um Pater [3][4]. Com isso ele se tornava um Miles, um soldado de Mitra. Em nada isso tem a ver com sacramentos.

***

Como sempre mentiras e mais mentiras contra a Santa Igreja. Sabemos o que a bíblia nos diz sobre os mentirosos: Vós tendes por pai ao diabo, e quereis satisfazer os desejos de vosso pai. Ele foi homicida desde o princípio, e não se firmou na verdade, porque não há verdade nele. Quando ele profere mentira, fala do que lhe é próprio, porque é mentiroso, e pai da mentira. (Jo 8:44)

In Corde Jesu, semper,

Veja tambem  São Cipriano de Cartago

Guilherme Welte.

Notas:

[1] – St. Justin Martyr, The First Apology, chapter 66. De Ante-Nicene Fathers, Vol. 1. Editado por Alexander Roberts, James Donaldson e A. Cleveland Coxe. (Buffalo, NY: Christian Literature Publishing Co., 1885.) Revisado e editado para New Advent por Kevin Knight. Disponível em: <http://www.newadvent.org/fathers/0126.htm>

[2] – Jerome, Letters 107(To Laeta), chapter 2. De Nicene and Post-Nicene Fathers, Second Series, Vol. 6. Editado by Philip Schaff e Henry Wace. (Buffalo, NY: Christian Literature Publishing Co., 1893.) Revisado e editado para New Advent por Kevin Knight. Disponível em: <http://www.newadvent.org/fathers/3001107.htm>

[3] – Tertullian, The Chaplet, chapter 15. De Ante-Nicene Fathers, Vol. 3. Editado por Alexander Roberts, James Donaldson e A. Cleveland Coxe. (Buffalo, NY: Christian Literature Publishing Co., 1885.) Revisado e editado for New Advent by Kevin Knight. Disponível em: <http://www.newadvent.org/fathers/0304.htm>

[4] – Tertullian, Prescription against Heretics, chapter 40. De Ante-Nicene Fathers, Vol. 3. Editado por Alexander Roberts, James Donaldson e A. Cleveland Coxe. (Buffalo, NY: Christian Literature Publishing Co., 1885.) Revised and edited for New Advent by Kevin Knight. Disponível: <http://www.newadvent.org/fathers/0311.htm>




Comentários no Facebook:

comments