1. Às margens dos rios de Babilônia, nos assentávamos chorando, lembrando-nos de Sião.

2. Nos salgueiros daquela terra, pendurávamos, então, as nossas harpas,

3. porque aqueles que nos tinham deportado pediam-nos um cântico. Nossos opressores exigiam de nós um hino de alegria: Cantai-nos um dos cânticos de Sião.

4. Como poderíamos nós cantar um cântico do Senhor em terra estranha?

5. Se eu me esquecer de ti, ó Jerusalém, que minha mão direita se paralise!

6. Que minha língua se me apegue ao paladar, se eu não me lembrar de ti, se não puser Jerusalém acima de todas as minhas alegrias.

7. Contra os filhos de Edom, lembrai-vos, Senhor, do dia da queda de Jerusalém, quando eles gritavam: Arrasai-a, arrasai-a até os seus alicerces!

8. Ó filha de Babilônia, a devastadora, feliz aquele que te retribuir o mal que nos fizeste!

9. Feliz aquele que se apoderar de teus filhinhos, para os esmagar contra o rochedo!

Bíblia Ave Maria - Todos os direitos reservados.



Livros sugeridos


“Dirás tu o mais belo dos credos quando houver noite em redor de ti, na hora do sacrifício, na dor, no supremo esforço duma vontade inquebrantável para o bem. Este credo é como um relâmpago que rasga a escuridão de teu espírito e no seu brilho te eleva a Deus”. São Padre Pio de Pietrelcina

Newsletter

Receba as novidades, artigos e noticias deste portal.