aaaaa

1. Por que não reserva tempos para si o Todo-poderoso? E por que ignoram seus dias os que lhe são fiéis?

2. Os maus mudam as divisas das terras, e fazem pastar o rebanho que roubaram.

3. Empurram diante de si o jumento do órfão, e tomam em penhor o boi da viúva.

4. Afastam os pobres do caminho, todos os miseráveis da região precisam esconder-se.

5. Como os asnos no deserto, saem para o trabalho, à procura do que comer, à procura do pão para seus filhos.

6. Ceifam a forragem num campo, vindimam a vinha do ímpio.

7. Passam a noite nus, sem roupa, sem cobertor contra o frio.

8. São banhados pelas chuvas da montanha; sem abrigo, abraçam-se com as rochas.

9. Arrancam o órfão do seio materno, tomam em penhor as crianças do pobre.

10. Andam nus, despidos, esfomeados, carregam feixes.

11. Espremem o óleo nos celeiros, pisam os lagares, morrendo de sede.

12. Sobe da cidade o estertor dos moribundos, a alma dos feridos grita: Deus não ouve suas súplicas.

13. Outros são rebeldes à luz, não conhecem seus caminhos, não habitam em suas veredas.

14. O homicida levanta-se quando cai o dia, para matar o pobre e o indigente; o ladrão vagueia durante a noite.

15. O adúltero espreita o crepúsculo: Ninguém me verá, diz ele, e põe um véu no rosto.

16. Nas trevas, forçam as casas; escondem-se durante o dia; não conhecem a luz.

17. Para eles, com efeito, a manhã é uma sombra espessa, pois estão acostumados aos terrores da noite.

18. Correm rapidamente à superfície das águas, sua herança é maldita na terra; já não tomarão o caminho das vinhas.

19. Como a seca e o calor absorvem a água das neves, assim a região dos mortos engole os pecadores.

20. O ventre que o gerou, esquece-o, os vermes fazem dele as suas delícias; ninguém mais se lembra dele.

21. A iniqüidade é quebrada como uma árvore. Maltratava a mulher estéril e sem filhos, não fazia o bem à viúva;

22. punha sua força a serviço dos poderosos. Levanta-se e já não pode mais contar com a vida.

23. Ele lhes dá segurança e apoio, mas seus olhos vigiam seus caminhos.

24. Levantam-se, subitamente já não existem; caem; como os outros, são arrebatados, são ceifados como cabeças de espigas.

25. Se assim não é, quem me desmentirá, quem reduzirá a nada as minhas palavras?

Bíblia Ave Maria - Todos os direitos reservados.



Livros sugeridos

Teologia do Corpo. O Amor Humano no Plano Divino
Como Vencer a Guerra Cultural
Riquezas da Igreja
Cartas de Um Outro Diabo ao Seu Aprendiz

“Agradeça sempre ao Pai eterno por sua infinita misericórdia”. São Padre Pio de Pietrelcina

Newsletter

Receba as novidades, artigos e noticias deste portal.